Psicoterapia Holistica

O Site Oficial da Psicoterapia

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte

Wilhelm Reich - Biografia Breve e Polêmica

Reich - Arte Digital: Henrique Vieira Filho

Wilhelm Reich era um cidadão austríaco (até se naturalizar americano, em 1938), mas um cidadão que jamais viveu no seu país após 1919. Nasceu 24-03-1897, em Dobrzynica, na Galícia. Passou a maior parte da sua infância numa fazenda -onde aprendeu a montar cavalo e a caçar, em Jujinetz, na província de Bukowina Galícia e Bukovina eram províncias fronteiriças do Império austro-húngaro.

Sua família era de origem judaica, mas a religião e as observâncias judaicas não representaram papel algum na sua educação. Seu pai era fazendeiro e, segundo Ilse Ollendorf Reich, a família “era abastada, altamente respeitada, algo presunçosa e tinha grande admiração pela cultura alemã”.

Reich parece, ter vivido uma infância solitária, nem mesmo se tendo tornado íntimo de seu irmão que era três anos mais jovem do que ele (morreu antes que Reich completasse 30 anos). A sua infância constratou surpreendentemente com a da maioria dos intelectuais que foram atraídos pela psicanálise na década que teve seu início em 1920.

Em 1911, quando Reich tinha apenas quatorze anos, sua mãe suicidou-se, aparentemente depois dele ter revelado a seu pai que ela estava tendo um caso com seu tutor. Depois seu pai foi atacado pela tuberculose e morreu três anos mais tarde (Reich tinha 17 anos).

Reich alistou-se no exército austríaco, tendo sido feito oficial e entrado em serviço ativo na Itália. No final da guerra, Reich foi para Viena, como um veterano de apenas vinte e um anos.

Depois de um breve namoro com a lei e o direito, tornou-se estudante de medicina e decidiu quase imediatamente dedicar-se à psiquiatria. Apenas um ano depois de sua chegada em Viena, Reich já era membro da Sociedade Psicanalítica de Viena e, é claro, um psicanalista no exercício da sua profissão.

De 1924 a 1930, Reich foi o diretor do Seminário de Terapia Psicanalítica, no qual de discutiam problemas práticos de tratamento, e três dos seus ensaios sobre técnica foram incluídos num volume intitulado The Psychoanalytic Read, que ainda hoje é leitura recomendada para estudantes em institutos psicanalíticos.

Reich desejava ser analisado por Freud; Freud recusou; Reich tomou essa recusa como uma rejeição pessoal, ficou deprimido, contraiu a tuberculose e até, conforme afirmou sua primeira esposa (mas sua terceira esposa discordou), foi vítima de um “processo de deterioração”, do qual nunca se recuperou.

Se esta segunda explicação é correta, desenvolver uma fixação paternal, na qual Freud era o pai, com o resultado de ânsias terapêuticas concentrando-se nele, deve ter constituído um sério risco profissional dos primeiros analistas. Uma década antes, outro psicanalista, Viktor Tausk, que era, como Reich, um judeu não-praticante de uma província também fronteiriça do Império austro-húngaro, viu-se recusado para uma análise por Freud. Essa rejeição por Freud iniciou uma reação que terminou com o suicídio de Tausk, seis meses mais tarde.

De todos os modos, seja qual for à verdadeira história que levou Reich a romper com Freud e a psicanálise, os seguintes dados parecem seguir uma cronologia correta:

  1. 1927- Reich procurou ser analisado por Freud, que recusou tratá-lo. A primeira versão do livro de Reich A FUNÇÃO DO ORGASMO foi publicada pela Editora Psicanalítica Internacional. Reich passou alguns meses num sanatório suíço.
  2. 1928 – Reich aderiu ao Partido Comunista austríaco. Com quatro outros analistas e três obstetras, fundou a Sociedade Socialista para Consulta sobre o Sexo e a Pesquisa Sexológica.
  3. 1929 – Reich visitou a Rússia. A sua obra Materialismo e Psicanálise Dialética foi publicada em Moscou.
  4. 1930 – Reich mudou-se para Berlim. Fundou a Associação Alemã para a Política Sexual Proletária, cujos objetivos incluíam a abolição de leis contra o aborto, a homossexualidade e a divulgação de informações sobre o controle da natalidade.
  5. 1933- Reich Publicou A PSICOLOGIA DAS MASSAS DO FASCISMO, na Dinamarca. Foi expulso do Partido Comunista Alemão. A primeira versão da obra de Reich, ANÁLISE DO CARÁTER, foi publicada pela Editora Psicanalítica Internacional, mas sem o seu nome, como editora, na capa ou no frontispício.
  6. 1934- Reich foi expulsou, antes, “afastado ou” cortado “da Associação Psicanalítica Internacional”.

Até mesmo os maiores admiradores de Reich reconhecem que ele era um homem difícil e autocrático, sendo fácil apontar certos aspectos da sua vida e dos seus escritos que poriam sanidade na questão- os diagnósticos possíveis seriam a hipomania, no que se refere aos seus primeiros tempos, e a paranóia, nos anos subseqüentes. Reich era inquieto, exageradamente ativo, ciumento, desconfiado e possessivo, fumava e bebia excessivamente. Tinha pouco sentido de humor e tomava-se a si próprio e ao seu trabalho com a maior seriedade. Mantinha sempre uma distância entre ele próprio e os outros. Segundo Ilse Ollendorf Reich, ele se identificava com Cristo, a quem ele considerava o “caráter genital” arquetípico, em contato direto com a energia orgone cósmica, vendo a sua própria vida como uma vida de martírio. Considerava a MORTE DE CRISTO o seu mais importante livro.

Na década de 50, Reich convenceu-se de que era possível isolar a energia da vida e na forma de empolas, a que chamava BIONS, guardando-a em acumuladores conhecidos pelo nome de “CAIXAS DE ORGONE”. Também acreditava que era possível tratar pessoas sofrendo de câncer e outras doenças, colocando-os dentro dessas caixas.

Em 1954, a Administração de Alimentos e Drogas dos Estados Unidos (United States Food and Drug Administration) expediu uma injunção contra a distribuição das CAIXAS DE ORGONE “, baseando-se em que as pretensões a seu respeito eram de natureza fraudulenta”.

Reich recusou-se tanto a obedecer à interdição quanto a reconhecer a competência dos tribunais no que se referia a emitir julgamentos sobre assuntos científicos. Assim, foi acusado de desrespeito ao tribunal e condenado a dois anos de prisão. Depois de preso, foi diagnosticado como paranóico e transferido para “LEWISBURG”, que era a única penitenciária com instalações para o tratamento psiquiátrico, onde foi, contudo, declarado “legalmente são e competente”. Em 3 de novembro de 1957, morreu de um ataque do coração.

Para saber mais: as idéias de REICH a) Charles Rycroft – 2a Edição 1971-Editora Cultrix.


>Raimundo Amim Lima Haddad - CRT 38326 - Terapeuta Holístico

Raimundo Amim Lima Haddad - CRT 38326 - Terapeuta Holístico, trabalha com Reiki, Calatonia, I Ching, Florais, Terapia Corporal e Fitoterapia, dentre outras técnicas.

Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.